fbpx

E-fisio

Osteoartrite de Joelho

A osteoartrite (OA) é uma doença articular degenerativa muito frequente, que pode afetar uma ou mais articulações sinoviais, incluindo pequenas articulações, como a mão, e articulações maiores, como joelho e quadril¹. É marcada, inicialmente, por anormalidades do metabolismo tecidual articular que provocam um desequilíbrio entre dano e o reparo desse tecido, seguido por desordens anatômicas e/ou fisiológicas como a degradação da cartilagem articular, remodelação óssea, formação de osteófitos, inflamação e perda da função articular².

 

Por: Areolino Pena Matos, PhD Nívea Renata Oliveira Monteiro Esp.

 O joelho é a articulação mais acometida³ e, clinicamente, os indivíduos afetados podem apresentar com frequência dor persistente, rigidez matinal, crepitação, instabilidade articular, edema e fraqueza muscular. A longo prazo, podem manifestar redução do nível de atividade física, descondicionamento, distúrbios do sono, fadiga, depressão e incapacidade⁴.

O processo de desenvolvimento e progressão da doença é complexo e multifatorial. Diversos fatores de risco estão envolvidos no desenvolvimento e progressão da doença, e também, na gravidade da dor, que é importante fator para a incapacidade e diminuição de qualidade de vida nestes pacientes. O aumento da incidência dos casos de OA de joelho observado nos últimos anos acompanha considerável preocupação⁵, uma vez que é observado nestes indivíduos maiores níveis de incapacidade laboral, limitação na participação social, número de consultas médicas e uso de medicação⁶,, representando prejuízo socioeconômico e na qualidade de vida significativo.

 

Epidemiologia e fatores de risco da Osteoartrite de Joelho

Embora alterações anatômicas estejam presentes em exames de imagem, não constituem fator determinante para a presença de sintomas¹. Logo, o número de casos diagnosticados radiograficamente difere do número de casos sintomáticos³, sendo o primeiro mais prevalente. Globalmente, é estimado que cerca de 364 milhões de pessoas convivam com OA de joelho sintomática.
 

O aumento da idade e o gênero são fatores que contribuem expressivamente para o desenvolvimento da OA de joelho,  maior incidência é encontrada no gênero feminino e entre pessoas com mais de 50 de anos⁹. Outros fatores de risco envolvidos no desenvolvimento e progressão da doença por levarem ao aumento da sobrecarga articular incluem: obesidade, mal alinhamento articular, fraqueza do músculo quadríceps, lesões do joelho, atividade física de alta intensidade e determinadas atividades laborais¹,¹⁰.

Além de promover sobrecarga articular, a obesidade parece contribuir para a degeneração articular de forma sistêmica por meio da ação de citocinas inflamatórias e está fortemente associada com a OA de joelho nos indivíduos com Índice de Massa Corpórea (IMC) > 30 e em menor extensão em pessoas com sobrepeso (IMC >25). O alinhamento em valgo ou varo do joelho parece predispor a doença por seu papel na sobrecarga dos compartimentos lateral ou medial, respectivamente. Dentre as lesões envolvidas no aumento do risco de OA está a ruptura do Ligamento Cruzado Anterior (LCA), especialmente quando associada à lesão na cartilagem, osso subcondral, ligamentos colaterais e/ou meniscos¹⁰.

A participação em atividades físicas de alta intensidade e determinados esportes competitivos como futebol, corrida, levantamento de peso, futebol americano e luta livre representa um aumento no risco de desenvolvimento e progressão de OA de joelho¹¹,¹², bem como atividades laborais que demandam maior tempo de exposição aos movimentos de levantar, agachar, escalar ou permanecer em pé¹³.

Anatomia e biomecânica da Osteoartrite de Joelho

A articulação do joelho é formada pela extremidade distal do fêmur e proximal da tíbia e classificada como uma articulação sinovial em gínglimo¹⁴. Contém estruturas como ligamentos, cápsula, meniscos e músculos robustos que conferem à articulação a estabilidade, conservação de energia e capacidade de transmissão de forças e absorção de impactos necessárias para importantes atividades funcionais como andar, correr, subir e descer escada, e outras¹⁵.

A partir do estudo de alterações biomecânicas presentes em pacientes com OA de joelho demonstrou-se maiores chances desses pacientes apresentarem fraqueza muscular extensora e flexora, diminuição da propriocepção e frouxidão ligamentar¹⁶. Uma das primeiras limitações funcionais encontradas é a tarefa de subir e descer escadas, a qual apresenta diminuição da velocidade, atraso na ativação muscular do quadríceps na subida e menor momento flexor do joelho na mesma fase, possivelmente uma estratégia compensatória adotada para diminuição da sobrecarga articular¹⁷.

A análise dos aspectos biomecânicos da marcha também indica diminuição da cadência e velocidade¹⁸. E, em pacientes com OA de joelho medial há forte evidência para a presença de aumento do momento adutor no joelho acometido, que constitui uma medida utilizada para demonstrar a distribuição de carga no compartimento medial do joelho, encontrando-se também fortemente associado com a progressão da doença¹⁹. No entanto, a interpretação destes dados é limitada, principalmente, a pacientes com diagnóstico radiográfico. Em recente estudo que se propôs a investigar a associação desta alteração biomecânica com a severidade da dor verificou-se associação com seu o aumento somente em casos moderados de OA de joelho²⁰.

Avaliação da Osteoartrite de Joelho

A avaliação de pessoas com OA de joelho deve ser individualizada e incluir a obtenção da história clínica e exame físico, além métodos que visem a compreensão do impacto da doença na função física, qualidade de vida, humor, sono, participação social e ocupação3. Identificar na avaliação as necessidades de educação relacionada ao problema, crenças e motivações do paciente ao autocuidado pode ser útil para a elaboração do plano de tratamento e colaborar para a sua aderência21.

A dor de pacientes com OA de joelho é melhor compreendida a partir de um modelo biopsicossocial e deve ser avaliada quanto a fatores relacionados, como as crenças e emoções do indivíduo sobre dor, influência social e incapacidade relacionada com a dor, e as suas características, incluindo intensidade, tipo e localização22. A intensidade pode ser quantificada por meio da Escala Visual Analógica, uma escala contínua de 10 cm contendo o descritor “Sem Dor” em uma extremidade e “Maior Dor Possível” na outra extremidade. A Escala Numérica de Dor, composta por uma escala que varia de 0 (Sem dor) a 10 (Maior dor possível), também pode ser utilizada para esta finalidade23

 A presença de dor de característica neuropática pode ser investigada pelos questionários PainDETECT e Self-report Leeds Assessment of Neuropathic Symptoms and Signs (S-LANSS). O questionário PainDETECT abrange quadro domínios que avaliam a intensidade da dor (3 itens), padrão do curso da dor, localização da dor por meio de um mapa corporal e descrição sensorial da dor (7 itens). A pontuação final varia de -1 a 38, a obtenção de pontuação ≤ 12 indica que a presença do componente neuropático é improvável e ≥ 19 indica que a presença desse componente é provável. O questionário S-LANSS, por sua vez, inclui questões distribuição e intensidade da dor (2 itens), qualidade e fatores agravantes da dor (5 itens) e um teste sensorial para avaliar a presença de alodínia realizado pelo próprio paciente. A pontuação final varia de 0 a 24 pontos, sendo que uma pontuação ≥ 12 sugere a presença de mecanismos neuropáticos23,24

 

Os questionários de medidas de desfechos relatados pelo paciente (PROMs) auxiliam na avaliação de informações relevantes da doença de acordo com a perspectiva do paciente e também são úteis para monitoração do progresso do tratamento. Exemplos de PROMs desenvolvidos especificamente para OA de joelho são o Western Ontario and McMaster Osteoarthritis Index (WOMAC) e o Knee Injury and Osteoarthritis Outcome Score (KOOS). O questionário WOMAC possui 3 domínios que avaliam os componentes de dor (5 itens), rigidez articular (2 itens) e função física (17 itens). Cada item possui uma pontuação que varia de 0 a 4. Pontuações totais mais altas indicam pior dor e estado funcional25,26.

 

Enquanto, o questionário KOOS inclui 5 subescalas que avaliam a dor (9 itens), outros sintomas (7 itens), funcionalidade em atividades de vida diárias (17 itens), funcionalidade nos esportes e atividades recreativas (5 itens), e qualidade de vida (4 itens). É utilizada uma escala Likert de 5 pontos que varia de 0 a 4 para a resposta aos itens. A pontuação total é convertida para uma pontuação de 0 a 100, com valores maiores indicando ausência de sintomas23

 

A utilização de testes funcionais é útil para a avaliação da função física e monitoramento do estado funcional ao longo do tratamento, exemplos de testes recomendados pela Sociedade Internacional de Pesquisa em Osteoartrite (OARSI)23,27 para pacientes com OA de joelho são: Caminhada Rápida de 40 Metros, que avalia o tempo e velocidade atingidos em curta distância; Teste de Sentar e Levantar, que avalia as repetições alcançadas em 30 segundos e mensura força muscular do membro inferior, resistência e coordenação; Teste Timed Up and Go (TUG), que avalia o tempo para levantar de uma cadeira, caminhar 3 metros, virar, caminhar de volta e sentar-se novamente, de acordo com o tempo é possível predizer o risco de quedas.

 

São recomendados também o Teste de caminhada de 6-minutos (TC6M), que avalia a distância percorrida durante um período de 6 minutos para determinar a capacidade funcional e o Teste de Subir e Descer Escadas, que considera a capacidade do indivíduo de subir/descer determinado número de degraus. Os testes devem ser escolhidos de acordo com a disponibilidade de recursos, o estágio da doença e capacidade de realizá-lo com segurança.

 

 

Tópicos de Tratamento da Osteoartrite de Joelho

O tratamento da OA de joelho envolve medidas cirúrgicas e não-cirúrgicas. Dentre as medidas não-cirúrgicas, o tratamento conservador possui grande importância com reconhecidos benefícios para o tratamento destes pacientes. Segundo as recomendações das principais diretrizes de prática clínica, baseadas em evidência de alta qualidade, o tratamento deve ser pautado em uma abordagem multimodal, que deve possuir a educação do paciente, exercício terapêutico e a perda de peso como intervenções centrais28,29,21.

Deve-se fornecer informações ao paciente relativas ao diagnóstico, prognóstico, opções de tratamento, bem como seus riscos e benefícios, esclarecer sobre as alterações anatômicas presentes em exames de imagem e como não representam bons indicadores do quanto a OA irá afetar a sua vida, a importância de manter atividade física regular e a perda de peso, em caso de obesidade e sobrepeso3,21

Além disso, é importante prover ao paciente estratégias para o autocuidado, facilitar o desenvolvimento de metas e enfrentamento da condição30. Assim, estas medidas irão permitir ao paciente tomadas de decisões conscientes, promover uma atitude otimista e positiva frente ao tratamento28 e eliminar possíveis crenças negativas comuns, como o medo do movimento e/ou a crença de que exercícios são prejudiciais para a articulação.

O exercício terapêutico, que engloba fortalecimento muscular, exercício aeróbico e/ou neuromuscular, quando apropriadamente prescrito é considerado seguro e indicado para pacientes com e sem comorbidades28,30. Possui efeito moderado positivo na dor, função e qualidade de vida de pacientes com OA de joelho, observando-se a persistência desse efeito na dor e função por até 6 meses pós-tratamento31-33

Os exercícios voltados ao fortalecimento muscular devem incluir o músculo quadríceps e músculos proximais do quadril21, a dosagem ideal dos exercícios para atingir efeitos clínicos benéficos ainda é incerta, porém foi observado que os critérios do Colégio Americano de Medicina do Esporte para o fortalecimento muscular (carga de 40% de 1RM, de 2 a 4 séries com 8 a 12 repetições, no mínimo 2 a 3 vezes na semana) resultaram em maiores ganhos na força muscular de quadríceps, sendo necessário um aumento mínimo de 30% e 40% na força dessa musculatura para um efeito clínico benéfico na dor e função34. Outras modalidades de exercícios como Tai-Chi e Yoga foram estabelecidas como recomendações nos últimos anos, devido aos seus efeitos físicos e em aspectos psicossociais, porém ainda há limitada evidência para a utilização de Yoga28,29.

A hidroterapia, dispositivos de auxílio, programas de autocuidado e terapia cognitiva comportamental são opções terapêuticas recomendadas para indivíduos com comorbidades como distúrbios gastrointestinais, cardiovasculares, dor generalizada e/ou depressão28. Efeitos positivos na dor e função em pacientes com OA de joelho foram observados com a realização de hidroterapia. Dispositivos de auxílio devem ser prescritos em caso de grande impacto na deambulação, estabilidade articular ou dor. 

Os programas de autocuidado incluem uma abordagem multiprofissional para a construção de habilidades e educação ao paciente relacionadas à doença e ao tratamento28. Enquanto, a terapia cognitiva comportamental é uma intervenção psicológica com o intuito de ajudar os pacientes entenderem como os seus pensamentos e emoções afetam o comportamento e, dessa forma, mudar pensamentos, crenças e percepções que os afetem negativamente, sua utilização está em crescente evidência e é recomendada para redução da dor, aumento da autoeficácia, depressão e estresse psicológico, porém ainda há limitada evidência e necessidade de estudos maiores28,30

 

Dentre as terapias não recomendadas para o tratamento de OA de joelho pela ausência de estudos ou escassez de estudos de alta qualidade que suportem o uso nessa população encontram-se a massagem, terapia por vibração e estimulação elétrica transcutânea (TENS)29.

 

Critérios de Alta

 

A partir da avaliação o terapeuta deve traçar, em conjunto com o paciente, metas alcançáveis a curto e longo prazo. Devido à discordância entre alterações anatômicas e sintomas clínicos na OA de joelho, critérios para alta não devem se basear exclusivamente em melhora de parâmetros anatômicos ou biomecânicos. A avaliação da dor e funcionalidade mensuradas por questionários de medidas de desfechos relatados pelo paciente e testes funcionais fornecem importantes informações que guiam o momento de alta. No entanto, é importante que o terapeuta não utilize apenas uma medida, pois uma não substitui a outra, e sim fornecem informações complementares35

 

O paciente deve estar preparado para controlar sua condição, manter as orientações e aderir à atividade física regular. Em alguns casos que possam existir, por exemplo, dor severa, outras articulações sintomáticas e o/ou comorbidades, podem ser necessárias reavaliações para o ajuste de metas, terapias e reforço de educação e estratégias de autocuidado1.

Referências

1. Martel-Pelletier J, Barr AJ, Cicuttini FM, et al. Osteoarthritis. Nat Rev Dis Prim. 2016;2. doi:10.1038/nrdp.2016.72

2. Use C. Call for Standardized Definitions of Osteoarthritis and Risk Stratification for Clinical Trials and Clinical Use. Osteoarthr Cartil. 2016;23(8):1233-1241. doi:10.1016/j.joca.2015.03.036.Call

3. Hunter DJ, Bierma-Zeinstra S. Osteoarthritis. Lancet. 2019;393(10182):1745-1759. doi:10.1016/S0140-6736(19)30417-9

4. Sharma L. Osteoarthritis of the Knee. Solomon CG, ed. N Engl J Med. 2021;384(1):51-59. doi:10.1056/NEJMCP1903768

5. Safiri S, Kolahi AA, Smith E, et al. Global, regional and national burden of osteoarthritis 1990-2017: A systematic analysis of the Global Burden of Disease Study 2017. Ann Rheum Dis. 2020;79(6):819-828. doi:10.1136/annrheumdis-2019-216515

6. Kiadaliri A, Englund M. Trajectory of excess healthcare consultations, medication use, and work disability in newly diagnosed knee osteoarthritis: a matched longitudinal register-based study. Osteoarthr Cartil. 2021;29(3):357-364. doi:10.1016/J.JOCA.2020.12.008

7. Hunter DJ, Schofield D, Callander E. The individual and socioeconomic impact of osteoarthritis. Nat Rev Rheumatol. 2014;10(7):437-441. doi:10.1038/nrrheum.2014.44

8. Long H, Liu Q, Yin H, et al. Prevalence Trends of Site‐Specific Osteoarthritis From 1990 to 2019: Findings From the Global Burden of Disease Study 2019. Arthritis Rheumatol. 2022;0(0):1-12. doi:10.1002/art.42089

9. O’Neill TW, McCabe PS, McBeth J. Update on the epidemiology, risk factors and disease outcomes of osteoarthritis. Best Pract Res Clin Rheumatol. 2018;32(2):312-326. doi:10.1016/j.berh.2018.10.007

10. Palazzo C, Nguyen C, Lefevre-Colau MM, Rannou F, Poiraudeau S. Risk factors and burden of osteoarthritis. Ann Phys Rehabil Med. 2016;59(3):134-138. doi:10.1016/j.rehab.2016.01.006

11. Driban JB, Hootman JM, Sitler MR, Harris KP, Cattano NM. Is participation in certain sports associated with knee osteoarthritis? A systematic review. J Athl Train. 2017;52(6):497-506. doi:10.4085/1062-6050-50.2.08

12. Alentorn-Geli E, Samuelsson K, Musahl V, Green CL, Bhandari M, Karlsson J. The Association of Recreational and Competitive Running With Hip and Knee Osteoarthritis: A Systematic Review and Meta-analysis. J Orthop Sports Phys Ther. 2017;47(6):373-390. doi:10.2519/JOSPT.2017.7137

13. Quicke JG, Conaghan PG, Corp N, Peat G. Osteoarthritis year in review 2021: epidemiology & therapy. Osteoarthr Cartil. 2022;30(2):196-206. doi:10.1016/j.joca.2021.10.003

14. Hall M, van der Esch M, Hinman RS, et al. How does hip osteoarthritis differ from knee osteoarthritis? Osteoarthr Cartil. 2022;30(1):32-41. doi:10.1016/j.joca.2021.09.010

15. Neumann DA. Kinesiology of the Musculoskeletal System: Foundations for Physical Rehabilitation. 2nd ed. St. Louis, Missouri: Mosby Elsevier; 2010.

16. Van Tunen JAC, Dell’Isola A, Juhl C, et al. Association of malalignment, muscular dysfunction, proprioception, laxity and abnormal joint loading with tibiofemoral knee osteoarthritis – A systematic review and meta-analysis. BMC Musculoskelet Disord. 2018;19(1):273. doi:10.1186/s12891-018-2202-8

17. Iijima H, Shimoura K, Aoyama T, Takahashi M. Biomechanical characteristics of stair ambulation in patients with knee OA: A systematic review with meta-analysis toward a better definition of clinical hallmarks. Gait Posture. 2018;62(November 2017):191-201. doi:10.1016/j.gaitpost.2018.03.002

18. Mills K, Hunt MA, Ferber R. Biomechanical deviations during level walking associated with knee osteoarthritis: A systematic review and meta-analysis. Arthritis Care Res. 2013;65(10):1643-1665. doi:10.1002/acr.22015

19. D’Souza N, Charlton J, Grayson J, et al. Are biomechanics during gait associated with the structural disease onset and progression of lower limb osteoarthritis? A systematic review and meta-analysis. Osteoarthr Cartil. 2022;30(3):381-394. doi:10.1016/j.joca.2021.10.010

20. Hall M, Bennell KL, Wrigley T V., et al. The knee adduction moment and knee osteoarthritis symptoms: relationships according to radiographic disease severity. Osteoarthr Cartil. 2017;25(1):34-41. doi:10.1016/j.joca.2016.08.014

21. Teo PL, Hinman RS, Egerton T, Dziedzic KS, Bennell KL. Identifying and Prioritizing Clinical Guideline Recommendations Most Relevant to Physical Therapy Practice for Hip and/or Knee Osteoarthritis. J Orthop Sport Phys Ther. 2019;49(7):501-512. doi:10.2519/jospt.2019.8676

22. Geenen R, Overman CL, Christensen R, et al. EULAR recommendations for the health professional’s approach to pain management in inflammatory arthritis and osteoarthritis. Ann Rheum Dis. 2018;77(6):797-807. doi:10.1136/annrheumdis-2017-212662

23. Davis AM, King LK, Stanaitis I, Hawker GA. Fundamentals of osteoarthritis: outcome evaluation with patient-reported measures and functional tests. Osteoarthr Cartil. 2022;30(6):775-785. doi:10.1016/j.joca.2021.07.016

24. Eckeli FD, Teixeira RA, Gouvêa ÁL. Neuropathic pain evaluation tools. Rev Dor. 2016;17(Suppl 1):20-22. doi:10.5935/1806-0013.20160041

25. Fernandes MI. Tradução e validação do questionário de qualidade de vida específico para osteoartrose WOMAC (Western Ontário McMaster Universities) para a língua portuguesa. [dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina; 2003.

26. Emery CA, Whittaker JL, Mahmoudian A, et al. Establishing outcome measures in early knee osteoarthritis. Nat Rev Rheumatol. 2019;15(7):438-448. doi:10.1038/s41584-019-0237-3

27. Coleman G, Dobson F, Hinman RS, Bennell K, White DK. Measures of Physical Performance. Arthritis Care Res. 2020;72(S10):452-485. doi:10.1002/acr.24373

28. Bannuru RR, Osani MC, Vaysbrot EE, et al. OARSI guidelines for the non-surgical management of knee, hip, and polyarticular osteoarthritis. Osteoarthr Cartil. 2019;27(11):1578-1589. doi:10.1016/j.joca.2019.06.011

29. Kolasinski SL, Neogi T, Hochberg MC, et al. 2019 American College of Rheumatology/Arthritis Foundation Guideline for the Management of Osteoarthritis of the Hand, Hip, and Knee. Arthritis Rheumatol. 2020;72(2):220-233. doi:10.1002/art.41142

30. Bowden JL, Hunter DJ, Deveza LA, et al. Core and adjunctive interventions for osteoarthritis: efficacy and models for implementation. Nat Rev Rheumatol. 2020;16(8):434-447. doi:10.1038/s41584-020-0447-8

31. Rausch Osthoff AK, Niedermann K, Braun J, et al. 2018 EULAR recommendations for physical activity in people with inflammatory arthritis and osteoarthritis. Ann Rheum Dis. 2018;77(9):1251-1260. doi:10.1136/annrheumdis-2018-213585

32. Fransen M, McConnell S, Harmer AR, Van Der Esch M, Simic M, Bennell KL. Exercise for osteoarthritis of the knee: A Cochrane systematic review. Br J Sports Med. 2015;49(24):1554-1557. doi:10.1136/bjsports-2015-095424

33. Briani RV, Ferreira AS, Pazzinatto MF, Pappas E, De Oliveira Silva D, Azevedo FM de. What interventions can improve quality of life or psychosocial factors of individuals with knee osteoarthritis? A systematic review with meta-analysis of primary outcomes from randomised controlled trials. Br J Sports Med. 2018;52(16):1031-1038. doi:10.1136/bjsports-2017-098099

34. Bartholdy C, Juhl C, Christensen R, Lund H, Zhang W, Henriksen M. The role of muscle strengthening in exercise therapy for knee osteoarthritis: A systematic review and meta-regression analysis of randomized trials. Semin Arthritis Rheum. 2017;47(1):9-21. doi:10.1016/j.semarthrit.2017.03.007

35. Dantas LO, Salvini T de F, McAlindon TE. Knee osteoarthritis: key treatments and implications for physical therapy. Brazilian J Phys Ther. 2021;25(2):135-146. doi:10.1016/j.bjpt.2020.08.004

 

Magee, 4ªed, 2006

Mais do E-fisio

Lesões do Ligamento Colateral Medial O ligamento colateral medial situa-se entre o côndilo medial do fêmur até o côndilo medial da tíbia. Sua …

Fratura de escafóide

Fratura de escafóide As fraturas de escafóide interferem diretamente na funcionalidade. São pontos chave para uma boa recuperação a abordagem no tempo certo …

Fraturas de Platô Tibial

Fraturas de Platô Tibial Fraturas do platô tibial podem ser graves e gerar grande  perda funcional ao joelho acometido. Por isso necessitam de …

Síndrome do Impacto Femoroacetabular

Síndrome do Impacto Femoroacetabular A síndrome do Impacto Femoroacetabular (IFA) costuma ser um importante acometimento da articulação do quadril, resultando em limitações funcionais …

Tendinopatia patelar

Tendinopatia patelar A Tendinopatia Patelar (TP) costuma ser um importante acometimento da articulação do joelho, frequentemente apresentada como dor anterior na articulação, resulta …

Síndrome da Dor Femoropatelar

Síndrome da Dor Femoropatelar Síndrome da Dor Femoropatelar  é um termo geral usado para descrever a dor retropatelar. É uma condição persistente que …

Tendinopatia da Pata de Ganso

Tendinopatia da Pata de Ganso A dor localizada na região medial do joelho muitas vezes é consequência de alguma alteração estrutural primária. O …

 

Olá

Registre-se conosco para poder colaborar com artigos e conteúdos.

Ou entre caso já seja registrado.
Login